Seis empresas e produtos que surgiram na crise

separator
Compartilhar

Por Marcio Bueno

Para algumas pessoas o mundo parou nos últimos meses e a única atividade possível é a de reclamar e criticar.

A maioria dos grupos de WhatsApp se converteram no epicentro da informação, ou desinformação, sobre a Covid-19.

Muita gente passou horas aprendendo a lavar as mãos, a fazer máscaras com garrafa pet, assistindo vídeos de especialistas, oportunidades ou charlatães (que são a maioria).

De repente temos mais médicos e cientistas políticos que todas as outras profissões juntas. Estes novos repetidores de informações, costumam reclamar, não apresentar soluções e dizer:

“Alguém tem que fazer alguma coisa” ou “Onde isso vai parar?”

As pessoas que se dedicam a lamentar-se não percebem que o mundo não parou, nem vai parar nunca.

Mal sabem elas que, enquanto elas reclamam da vida tem gente abrindo espaço, criando ou aproveitando as oportunidades.

A importância da história é que nos ensina como devemos ou como não devemos fazer as coisas.

Esta não é a primeira pandemia nem a primeira grande crise da humanidade.

Temos muitos exemplos de empresas que surgiram durante as crises.

Em 1929, houve a maior crise do café que já existiu, muitos produtores de café quebraram e uma comitiva oficial brasileira se foi à Suíça, conversar com a Nestlé para buscar uma solução para proteger a produção do ano, e a após muita pesquisa, surgiu o café solúvel e a Nescafé.

Em 1929, também houve o crash da bolsa de Nova Iorque, conhecido como a quinta-feira negra e a grande depressão americana.

Enquanto a maioria das empresas demitiam milhões de funcionários, Thomas Watson, CEO da IBM, assumiu o risco e decidiu ir na direção contrária, não demitiu, aumentou investimentos e preparou a empresas para o crescimento.

Em 1940, durante a segunda guerra mundial (1939-1945), enquanto muita gente reclamava pela escassez do cacau, Pietro Ferrero criou um produto baseado em avelã e hoje a Nutella fatura mais de 11 bilhões de euros e está em 75 países.

Em 1941, a Alemanha tinha mais muitas fábricas de Coca Cola, porém, com a entrada dos EUA no grupo dos Aliados, a Alemanha proibiu a importação do xarope da bebida.

Incapazes de produzir, muitos já esperam anotar o nome da Coca Cola Alemanha na lista de milhares de empresas que quebraram no período.

Porém, Max Keith, chefe de operações da filial alemã, usando soro de leite e fibras de maçã, ambos eram restos da indústria alimentícia, para criar uma nova bebida.

Foi dado o nome de Fanta, e foi um sucesso.

Em 1973, durante a crise de petróleo, o empresário Salim Mattar, contrariando a lógica e a opinião de seus amigos, financiou a 6 fuscas e iniciou o negócio de aluguel de carros. Em 1979, na segunda crise de petróleo, Salim, a empresa executou um ambicioso plano de expansão. Assim nasceu a Localiza, a maior rede de aluguel de carros da América Latina.

No dia 11/03/2020 a Organização Mundial da Saúde declara a pandemia de coronavírus.

Justo no dia seguinte eu tinha a estreia do espetáculo teatral da Tecno-Humanização, um projeto que havia sido investido muito tempo, dedicação e dinheiro.

Todos os ingressos foram vendidos, mas pelo anúncio da pandemia, estreamos com uma quebra de 50% do público.

Gravamos a estreia para fazer teasers aos clientes corporativos, porém, como somos Tecno-Humanistas e aplicamos a tecnologia para servir ao ser humano, decidimos oferecer em formato digital às pessoas que haviam comprado a entrada e não puderam ir à estreia, sem custo adicional.

Desta simples ação surgiu uma ação maior.

Iniciava-se uma preocupação com a economia de pequenas empresas e autônomos, portanto decidimos colocar a peça à venda, parte da arrecadação irá para ajudar aos profissionais do espetáculo e outra parte para a Casa de Assistência ao Idoso Francisco de Assis.

Se quiser assistir um conteúdo de qualidade e contribuir com esta causa, clica aqui.

Olhei meu planejamento e a próxima ação de 2020 do planejamento era o lançamento do quadro “Visão Tecno-Humanista” no programa Inova360 da Record News.

O conceito do programa estava desenhado, a dinâmica é convidar empresas para que nos conte um desafio sobre transformação digital, inovação, captação e engajamento de talentos, ou desenvolvimento de negócio, e vamos desenhar uma solução baseada na metodologia da Tecno-Humanização e apresentar no programa.

Porém, havia um grande desafio! Viabilizar o quadro.

Quem conseguiria patrocínio para um programa de TV durante uma pandemia onde o grau de incerteza política e a turbulência econômica é enorme?

Todas as pessoas com quem eu conversei, me disseram que seria impossível, que eu deveria esperar passar esta crise.

Porém, saí dos grupos de WhatsApp onde as pessoas reclamam, e dediquei este tempo para viabilizar o programa.

Sabe qual foi o resultado?

Nessa quarta-feira, dia 10/06, estreamos o quadro “Visão Tecno-Humanista” no programa Inova360, na Record News.

Sabem por quê?

Porque o mundo não para.

 

Marcio Bueno assina a coluna “Tecno-Humanização”, no Inova360, parceiro do portal R7. É Tecno-Humanista, fundador da BE&SK (www.bensk.net) e criador do conceito de Tecno-Humanização.

[email protected]

linkedin.com/in/marcio-luiz-bueno-de-melo-∴-94a7066