Sete passos para ter uma cultura ágil na sua empresa

separator
Compartilhar

Por Vitor Massari

Os sete passos descritos neste artigo estão longe de ser a fórmula mágica do sucesso, mas são uma linha de raciocínio para que as empresas estruturem uma gestão de mudança consciente e pragmática.

Passo 1: Entender do que realmente se trata a Agilidade

Muitos associam a palavra Agilidade com rapidez e velocidade, porém temos que tomar cuidado pois esta é uma perspectiva perigosa. Agilidade significa:

1) Conhecer que estamos em um ambiente de imprevisibilidade

2) Ser altamente adaptativo diante deste ambiente imprevisível

3) Ter adaptabilidade sempre tem foco em objetivos

4) Ser altamente eficiente no uso dos recursos e soluções disponíveis

5) Eliminar o máximo de desperdícios durante a construção de soluções

O equilíbrio destes cinco fatores permite termos rapidez e velocidade como uma consequência deste equilíbrio, logo melhorando o tempo de resposta e adaptação ao mercado.

Passo 2: Qual o problema que sua empresa precisa resolver?

Qualquer mudança cultural deve sempre vir motivada por problemas ou questões que estão gerando perdas para a empresa. Por exemplo:

– Alto tempo de entrega de soluções para clientes

– Alto turnover de profissionais

– Problemas de qualidade e reclamações de produtos e serviços

Se a sua empresa não está com problemas, não caia na cilada de adotar novas “modas de verão”

Passo 3: Conduzir uma gestão de mudanças

Uma abordagem interessante para a gestão de mudanças é o modelo ADKAR, que consiste em cinco etapas:

1) Consciência – Os executivos da sua empresa possuem consciência de que existem problemas a serem resolvidos (vide Passo 2).

2) Desejo – Os executivos entendem os problemas e vão patrocinar e conduzir uma mudança cultural

3) Conhecimento – Treinamentos nas abordagens a serem utilizadas.

4) Habilidade – Contratar profissionais com experiência técnica nas abordagens a serem utilizadas

5) Reforço – Comitê ou Centro de Excelência mantido para evitar regressões da nova cultura introduzida

Passo 4: Traçar uma estratégia analisando a cadeia de valor

Não adianta espalhar SQUADs ou equipes multidisciplinares em todas as áreas de tecnologia da empresa, se outras áreas como compras, jurídico, serviço de atendimento ao cliente não acompanham a melhora necessária para melhorar a adaptabilidade e eficiência necessárias para se entregar maior valor ao cliente.

Cadeia de valor é um mapeamento de todos os processos necessários para entregar valor ao cliente e uma Cultura Ágil deveria fazer parte de toda esta cadeia e não apenas de parte dela.

Passo 5: Desapego a método

Quando se fala em Cultura Ágil vários nomes de métodos surgiram como uma avalanche: Scrum, Kanban, Lean, XP, SAFe, Nexus, LeSS, Disciplined Agile, FDD, Modelo Spotify, Design Sprint, Lean Inception, Design Sprint, OKR, Flight Levels, entre outros.

Qual é o melhor? Qual é o pior? Fuja sempre deste tipo de discussão! Você deve conhecer e estudar todas estas abordagens para decidir quais usar de acordo com o próximo passo, seu contexto

Passo 6: Entenda o seu contexto

Cada empresa tem seu contexto e entendê-lo é fator crucial para entender qual abordagem deve ser utilizada na Cultura Ágil pretendida.

Sua empresa geralmente tem contextos onde é necessário estabilidade extrema, contextos onde o principal é ter uma especialista técnico para trazer previsibilidade, e contextos de inovação, incerteza e experimentação.

Passo 7: Fator Humano

Será que os processos e as metas da nossa empresa estão conectados a uma nova cultura que preza por colaboração e foco no cliente? A nova Cultura Ágil possui foco no cliente, porém a meta do departamento é demorar o máximo possível para reembolsar o cliente, por exemplo. Temos aí um contraste que certamente gerará resistência.

Realinhamento de metas e processos aos princípios e valores da nova cultura são itens importantíssimos para se conduzir uma mudança cultural e aprofundo esta questão do fator humano em outro artigo do R7 que você pode conferir aqui.

Agora é repensar se realmente sua empresa está seguindo estes 7 passos e, caso não esteja, o que falta para começar.

 

Vitor Massari assina coluna sobre Transformação Digital, no Inova360/R7, e tem quadro sobre o tema no programa de TV Inova360, na Record News. É CEO da Hiflex Consultoria e autor dos best-sellers “Gerenciamento Ágil de Projetos e Agile Scrum Master no Gerenciamento Avançado de Projetos” e “Gestão Ágil de Produtos com Agile Think® Business Framework”. Tem 20 certificações em inovação e transformação ágil e digital, é docente na área e venceu o Troféu Luca Bastos no evento Agile Trends por dois anos consecutivos.

LinkedIn: linkedin.com/in/vitormassari 

Instagram: @vitormassari 

Site: hiflexconsultoria.com.br