Ainda consigo ganhar dinheiro investindo em ouro?

separator
Compartilhar

Jair Lemes

Os investidores realmente abraçaram o ouro em 2020 como estratégia de proteção (Hedging). Olhando para o futuro, as expectativas de uma recuperação mais rápida da economia (em forma de V) da crise oriunda da COVID-19 estão mudando para uma recuperação mais lenta (em forma de U), ou ainda, levando em consideração, um cenário que contemple ondas adicionais de infecções (em forma de W).

Independentemente do tipo de recuperação, a pandemia provavelmente terá um efeito duradouro na alocação de ativos. Também continuará a reforçar o papel do ouro como ativo estratégico. E acreditamos que a combinação de alto risco, baixo custo de oportunidade e impulso positivo de preços parece destinada a apoiar o investimento em ouro e compensar a fraqueza no consumo que causa contração econômica que, por sua vez, tem impacto negativo nos resultados dos investimentos.

Como iniciar um processo de investimento saudável, sem saber investir, auferindo retornos acima da média de mercado, sem sair de casa?

O ouro se superou com a recuperação das ações.

O ouro teve um desempenho notável no primeiro semestre de 2020, aumentando seu valor em 16,8% em dólares americanos e superando significativamente quase todas as outras classes de ativos importantes na mesma moeda. No final de junho, o LBMA Gold Price PM estava sendo negociado perto de US $ 1.770 / onça, um nível não visto desde 2012, e atingindo recordes, ou quase recordes, em todas as outras moedas importantes. Embora os mercados de ações em todo o mundo tenham se recuperado bem de seus pontos baixos do primeiro trimestre, o alto nível de incerteza em torno da pandemia de COVID-19 e o ambiente de taxas de juros “muito” baixas apoiaram fortes fluxos de fuga para qualidade (investimentos de menor risco).

A exemplo do mercado monetário e os fundos de títulos de Renda Fixa de alta qualidade, o ouro se beneficiou da necessidade dos investidores de reduzir o risco, com o reconhecimento do ouro como um “hedge” (seguro) ainda mais ressaltado pelos ingressos recorde vistos em ETFs lastreados em ouro.

A recuperação econômica pode assumir várias formas.

A pandemia COVID-19 vem apresentando um efeito devastador na economia global. O FMI projeta atualmente uma contração de 4,9% no crescimento global em 2020, com altos níveis de desemprego e destruição de riqueza.

Para os investidores, isso não só mantém os níveis de incerteza altos, mas também pode ter um impacto duradouro no desempenho de sua carteira. Neste contexto, acreditamos que o ouro pode ser um ativo valioso: pode ajudar os investidores a diversificar os riscos e pode contribuir positivamente para melhorar os retornos ajustados ao risco.

Em resposta à pandemia, os bancos centrais em todo o mundo cortaram agressivamente as taxas e / ou expandiram os programas de compra de ativos para estabilizar e estimular suas economias. No entanto, essas ações estão levando a várias consequências não intencionais no desempenho dos ativos:

-As crescentes avaliações do mercado de ações nem sempre são apoiadas por fundamentos, aumentando a chance de retração;

-Os preços dos títulos corporativos também estão subindo, empurrando os investidores ainda mais para baixo na curva de qualidade de crédito;

-Os títulos de curto prazo e de alta qualidade têm, se houver, probabilidades de valorização limitadas, reduzindo sua eficácia como hedge.

Além disso, estímulos fiscais generalizados e níveis crescentes de dívidas do governo estão levantando preocupações sobre um aumento da inflação no longo prazo ou uma erosão significativa do valor das moedas fiat. A deflação, entretanto, é vista por alguns como o risco mais provável no curto prazo.

Como essas dinâmicas aumentam o risco e levam à possibilidade de retornos cada vez menores do que o esperado, acreditamos que o ouro pode desempenhar um papel cada vez mais relevante nas carteiras dos investidores.

As ações estão ficando (muito) caras e podem sofrer fortes retrações.

As ações globais seguiram uma tendência unilateral praticamente ininterrupta por mais de uma década. A pandemia COVID-19 mudou isso, resultando em uma retração significativa, com todos os principais índices de ações caindo mais de 30% durante o primeiro trimestre de 2020. No entanto, as ações se recuperaram acentuadamente desde então – especialmente as ações de tecnologia. Mas os preços das ações não parecem totalmente sustentados pelos fundamentos das empresas ou pelo estado geral da economia.

Isso costuma ser chamado de divisão Wall Street vs. Main Street. Nos EUA, por exemplo, as relações preço / lucro saltaram para níveis nunca vistos desde a bolha das  empresas “ponto com”, no espaço de alguns poucos meses.

E enquanto muitos investidores procuram tirar proveito da tendência positiva dos preços, há uma preocupação crescente de que tais avaliações infladas possam resultar em uma retração significativa, especialmente se a economia sofrer um revés com uma segunda onda de infecções. A eficácia do ouro como proteção pode ajudar a mitigar os riscos associados à volatilidade das ações na carteira do investidor.  Repito: se faz necessário levar em consideração os demais ativos da carteira antes de tomar a decisão de adicionar ouro a mesma.

Títulos de Renda fixa podem oferecer alguma proteção, mais limitada neste momento.

O ambiente de taxas baixas também levou os investidores a aumentar o nível de risco em suas carteiras por meio da compra de títulos de longo prazo, títulos de menor qualidade ou simplesmente substituindo os títulos por ativos com maior nível de risco, como ações ou investimentos alternativos.  Reforço que dizer que quando o nível de risco é maior não significa que a adição dos mesmos à carteira é ruim. E pelo contrário, considero muito saudável.

No futuro próximo, não acreditamos que os investidores alcançarão os mesmos retornos em títulos de renda fixa observados nas últimas décadas.

Continue lendo esse artigo no Blog da Brava Capital

 

Jair Lemes – É diretor de Gestão e CEO da Brava Capital, apresentador do quadro Capital Inteligente no programa Inova 360, na Record News, e tem coluna de mesmo nome no Inova360/R7. É especialista em investimentos e finanças, com certificação CFA, e professor de Finanças na CFA Society Brasil.

LinkedIn: https://www.linkedin.com/in/jairlemes/