FURADA! MIMO DOS NAMORADOS PODE DOER MUITO NO BOLSO

separator
Compartilhar

Para a parcela dos nossos jovens (47%) que não adota o controle financeiro, o presentinho do Dias dos Namorados pode doer no bolso! Afinal, eles mesmo reconhecem que compram por impulso. “Misturar finanças com emoções, sempre acaba em erro”, sentencia o consultor financeiro Ben Zruel. Autor do best-seller Eu vou te ensinar, ele já salvou a vida de milhares de endividados pelo pais. Aprenda com o especialista a driblar as distrações, rumo à sua liberdade financeira!

No Brasil, o emocional decide as compras de muita gente. Consultor financeiro Ben Zruel alerta: presentes não planejados podem custar caro, literalmente

O comércio não vê a hora de superar a expectativa frustrada do Dia das Mães.  Porém, o mimo do Dias dos Namorados, se não for planejado, pode custar caro, literalmente. O alerta é feito pelo consultor financeiro Ben Zruel e serve para todos, inclusive para os 40% dos jovens que reconhecem a que a emoção fala mais alto no momento da compra. “Misturar finanças com emoções, sempre acaba em erro”, sentencia ele, que já salvou a vida de milhares de endividados pelo pais, e é autor do aclamado best-seller Eu Vou te Ensinar a Ser Rico. Além do dado acima, o levantamento da Confederação Nacional dos Dirigentes Lojistas (CNDL), em parceria com o Banco Central também aponta que traçar metas para sonhos de consumo não faz parte da rotina de 32% dos meninas e meninos Brasil a fora.

Expert, Ben Zruel nos ajuda a entender melhor esses aspectos que podem colocar em risco o orçamento de muita gente. “A emoção influencia todas as áreas da nossa vida, inclusive, a financeira, onde é mais forte, já que o dinheiro está ligado à nossa vaidade, ansiedade, mentalidade”, explica. Para ele, as decisões racionais dependem de ‘desligar’ este botão. O que não é fácil, mas possível, Ben adiada.  “Ninguém desconecta totalmente, é claro. Entretanto, um planejamento detalhado com os ganhos reais, custo mensal e o quanto sobra (e se sobra!), permite escolhas mais acertadas”, ensina. Já o descontrole, abre espaço para falhas sucessivas, que levam à inadimplência. O Brasil possui 63 milhões de pessoas com débitos em aberto.

Armadilhas – A juventude não é motivo para uma vida sem propósito. Aos adeptos da falta de planejamento, Ben Zruel avisa que restam pelo menos 40 anos de trabalho duro, tendo que sobrevier com apenas 40% dos rendimentos. E a dependência vitalícia desse dinheiro escasso. A autonomia, por outro lado, exige uma avaliação sincera que inclui: porquê trabalhar? Quanto ganha e quanto quer ganhar? E dessa equação, lembra o consultor financeiro, resulta no motivo sólido para poupar sem sacrífico e para depois investir e rumo à liberdade.

COMO SE NÃO HOUVESSE AMANHÃ – Se esse é o seu lema, Ben Zruel rebate: “É um grande erro, pois consumir corretamente aumenta o nosso poder de compra. Pagar à vista significa o dobro de chances de adquirir mais. Parcelar é reduzir isso à metade. Traçar metas de consumo (como a comprar de um celular ou mimo para o amor) pode e deve ser exercitado. No entanto, como mostra a mesma pesquisa, 32% dos consumidores não têm esse o hábito – número que Ben acha extremamente otimista. Endividou? Calma. Ben Zruel é taxativo na receita: “Guarde o dinheiro e pague tudo de vez ou não pague nada!”.

SEM CONTROLE – Metade da “Geração Z” (47% entre 18 e 24 anos) não realiza ou sabe como começar o controle financeiro! VAI DAR RUIM – 46% dos pombinhos brigam por dinheiro em casa; 38% discutem quando o parceiro(a) gasta além da conta; e para evitar discussões, só 66% conta tudo o que compra. >>>>> FONTES: Todos os dados são do levantamentos recentes do SPC Brasil e da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas – CNDL, em parceria com o Banco Central.

SOBRE O ESPECIALISTABEN ZRUEL é consultor financeiro, empresário e autor israelense do best-seller e do curso online homônimo “Eu Vou Te Ensinar a Ser Rico”. O especialista em finanças pessoais mora no Brasil há quase 20 anos e, há uma década, se tornou financeiramente independente, após falir por duas vezes.