Saiba quais são as duas funções mais importantes de qualquer líder

separator
Compartilhar

Por Millor Machado

Depois de alguns anos como consultor, comecei a identificar um padrão nas interações diárias que tenho com empreendedores e executivos: o quanto liderar pessoas dá trabalho e é psicologicamente desgastante.

Se você precisa liderar formalmente uma equipe, aposto que muitas vezes sente um cansaço enorme por ter que, não apenas fazer o seu trabalho, mas também motivar e treinar a equipe.

Porém, é nessa parte que a grande maioria dos líderes se equivocam.

Se pararmos pra pensar em termos de maior potencial de resultado no médio/longo prazo, treinar e motivar pessoas é o seu trabalho. O resto que é complementar.

A primeira vez que vi essa ideia foi no livro High Output Management, de Andy Grove, que por sinal, considero de longe como o melhor livro de gestão da história.

Uma coisa importante de comentar é que não absorvi esse conceito de bate-pronto. Inicialmente, fiquei pensando que minha principal função era a de definir a estratégia, não necessariamente treinar e motivar pessoas, que seriam questões mais táticas/operacionais.

Porém, depois de um tempo, percebi que uma estratégia que fica na gaveta não serve para absolutamente nada.

Na prática, se a equipe que está na operação não executa suas tarefas de acordo com a estratégia, ela é uma bela peça de museu a ser apreciada, mas que gera poucos resultados práticos para a empresa.

Ou seja, mais do que criar uma estratégia maravilhosa, sua principal função enquanto líder é contextualizar suas ideias para o time e garantir que todos estejam treinados para executar suas funções.

Se pararmos pra pensar, a palavra motivar está completamente relacionada a “motivo”. Ou seja, por que a pessoa está fazendo aquilo?

Mostrar a conexão das atividades do time com a estratégia, principalmente no impacto positivo na vida do cliente, é a melhor forma que eu conheço de motivar pessoas.

Em relação ao treinamento, muitas vezes assumimos que as pessoas simplesmente precisam “se virar” e aprenderem por conta própria.

Por mais que de fato algumas pessoas sejam autodidatas, a realidade é que sem o contexto correto, existe uma chance muito alta delas se especializarem em fazer muito bem algo que não deveria estar sendo feito.

Enquanto líder, seu papel envolve mostrar os critérios de sucesso dos projetos e processos, garantindo que as pessoas recebam feedback e sejam treinadas quando não atingem o nível esperado de performance.

Porém, como já diz o ditado popular: Ninguém nasce sabendo.

Por isso, a necessidade de treinamento é constante numa empresa que está crescendo.

Se o seu time não estiver crescendo, como você espera que a empresa cresça?

Porém, como sempre há espaço para uma melhoria infinita de absolutamente todos os seus processos, escolher onde você focará o treinamento das pessoas já é um assunto bem mais complicado e que envolve uma análise indicadores, que terá que ficar para um outro artigo.

Enquanto isso, se você gostou desse artigo, te convido para se inscrever no canal do GPS de Gestão no Youtube, onde publicamos toda 5a-feira conteúdos sobre liderança e produtividade.

Caso tenha interesse em consumir mais conteúdo sobre esse tema, clique aqui.

Millor Machado assina a coluna sobre Liderança e Produtividade, no Inova360, parceiro do portal R7. É CEO e co-fundador do GPS de Gestão e possui uma extensa experiência como executivo e consultor, auxiliando líderes de diversos setores a atingirem melhores resultados. Tem um quadro sobre Liderança e Produtividade no programa de TV Inova360, na Record News.

LinkedIn: https://www.linkedin.com/in/millormachado/

Site: www.gpsdegestao.com.br